Notícias Câmara

Os vereadores que integram a Comissão Especial de Acompanhamento das Obras da Casan, tiveram dois requerimentos aprovados em sessão ordinária. As duas proposições voltam a questionar a companhia sobre os investimentos na adutora do Rio Chapecozinho, os serviços de dragagem e desassoreamento do Lajeado São José e a abertura de poços artesianos.

Os questionamentos foram feitos pelos vereadores Fernando Cordeiro (PSC), André Kovaleski (PL) e Deise Schilke (PT). O documento afirma que o Instituto do Meio Ambiente (IMA/SC), já emitiu licença prévia e licença de instalação para atividade de dragagem e desassoreamento mecanizado do curso d’água a ser realizado no Lajeado São José. “Em função disso, queremos saber se a Casan já publicou a licitação do desassoreamento, qual será o custo total e a previsão de término desses serviços”, questionou Fernando Cordeiro, presidente da Comissão Especial.

No outro requerimento, os vereadores querem saber quais foram os motivos da readequação financeira da obra da nova adutora do Rio Chapecozinho e qual o valor total da obra, acrescido com a mudança. “Também questionamos se há planejamento quanto à instalação da tubulação, considerando a obra do Elevado da Bandeira e a duplicação da Avenida Leopoldo Sander”, destaca Kovaleski. A vereadora Deise lembrou ainda, que se informe se a perfuração dos três poços prometida pela Casan já foi realizada.

Os documentos foram encaminhados para Roberta Mass dos Anjos, presidente da CASAN e ao superintendente Regional de Negócios Oeste da Casan, Daniel Scharf. Os requerimentos devem ser respondidos em até 30 dias.