Notícias Câmara

Por mais uma oportunidade, a Câmara de Vereadores promoveu um encontro com representantes da Casan. Nesta terça-feira (01), foi realizada uma Reunião de Trabalho, via requerimento da Comissão Especial que acompanha as obras da adutora do Rio Chapecozinho. A comissão é formada pelos vereadores Fernando Cordeiro (PSC), André Kovaleski (PL) e Deise Schilke (PT).

Desta vez, os vereadores questionaram as licenças ambientais para a obra da adutora e da dragagem do Lajeado São José. Em função disso, o coordenador do IMA – Instituto do Meio Ambiente, Diogo Faé, também foi convidado a participar do encontro. Em relação às obras do Chapecozinho, Faé disse que a licença para o início das obras venceu em março de 2019 e foi prorrogada até julho deste ano. “Uma nova licença já foi solicitada e está em análise. Já para a dragagem do São José, vamos depender do apoio de um engenheiro ambiental de Criciúma para liberar a licença”, explicou.

Os vereadores fizeram outros questionamentos em relação a demora no início das obras da adutora, dos novos reservatórios e dos três poços artesianos prometidos ainda ano passado pela Casan. O chefe de Manutenção e Operação da Casan, Vicente da Silva, disse “que os editais foram abertos e que o período de pandemia e de aumento nos valores de matéria-prima atrasaram os processos”.

O vereador Fernando Cordeiro, reclamou que a Casan não tem dado atenção necessária ao município de Chapecó e que a morosidade nos processos deixam os moradores sem perspectivas de serem melhor atendidos. “Convidamos a presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos, mas sequer foi justificado o motivo de sua ausência na reunião de trabalho. Isso demonstra a falta de consideração com nossa cidade”, finalizou o vereador.

Também compareceram ao encontro, o gerente operacional da Casan, Arthur da Silva e o diretor de Agricultura de Chapecó, Jonas Bringhenti.