Notícias Câmara

O presidente da Câmara de Vereadores de Chapecó, Adão Teodoro (PSD), que assumiu a função no último dia 10 de janeiro, fala sobre alguns assuntos referentes ao desempenho do legislativo. Entre eles, a expectativa dos trabalhos este ano, a condução das sessões ordinárias e as maiores demandas da população chapecoense.

CMC – Qual a expectativa dos trabalhos que serão realizados em 2022 pela Câmara de Vereadores de Chapecó?

Presidente – Expectativa para este ano é pela continuidade do que estava sendo realizado em 2021. No ano passado, o plenário deu exemplo na quantidade de deliberações de projetos de lei. Quando o legislativo trabalha de forma harmônica, as coisas acontecem mais rápidas e quem ganha com isso é a população, já que a prefeitura consegue executar os projetos que são analisados pelos vereadores. Na forma de presidente, pretendo dar agilidade aos projetos vindos do executivo municipal.

CMC – É possível ser um legislativo enxuto e atuante ao mesmo tempo?

Presidente – Com certeza. A economia do dinheiro público é um dever de cada vereador, e com isso ter a oportunidade de devolver recursos aos cofres da prefeitura. Dessa forma, o executivo terá mais verbas para investir em saúde, educação ou onde achar necessário. Portanto, ser enxuto e atuante é muito prudente.

CMC – De que forma o senhor pretende conduzir os trabalhos em plenário e qual será a melhor maneira de promover os debates?

Presidente – O plenário é o local da pauta de debates. Os 21 vereadores terão seus entendimentos, suas discussões, mas, com certeza, sempre será o melhor para a população. Eu pretendo facilitar esses debates para que sejam focados e tenham a intenção de trazer bons resultados ao seu final e que possam trazer vários benefícios à sociedade.

CMC – Chapecó é uma das cidades que mais cresce no Sul do Brasil. Na sua opinião, quais são as maiores preocupações que o legislativo deve ter para que esse crescimento ocorra de forma organizada?

Presidente – Uma das preocupações que o legislativo deve ter é não atrapalhar o executivo. Nós precisamos trabalhar na mesma velocidade que a prefeitura presta seus serviços. São dois poderes independentes, mas automaticamente devemos andar juntos e nós faremos o possível, tudo dentro da legalidade e da fiscalização para dar agilidade aos trabalhos.