Notícia destaque

A Comissão Especial de Gestão de Águas, formada na Câmara de Vereadores de Chapecó, começa a tomar suas primeiras ações com a intenção de fiscalizar em vários aspectos, os serviços prestados pela Casan em Chapecó. Foram definidos ainda, os membros titulares da comissão: Márcio Sander (PSDB), Itamar Agnoletto (PP) e Neuri Mantelli (MDB). Os suplentes são os vereadores Aderbal Pedroso da Silva (PSD), Valmor Scolari (PSD), João Siqueira (PP) e Ildo Antonini (DEM).

A comissão foi criada, por iniciativa de requerimento aprovado de autoria do vereador Márcio Sander. O vereador explica que a comissão pretende fiscalizar junto à Casan, o contrato existente entre a companhia e a Prefeitura de Chapecó. “Queremos saber quais são os investimentos, as obrigações e os serviços prestados em relação a captação, tratamento e distribuição de água na cidade”, relatou.

Na primeira reunião, a comissão já definiu encaminhar ofícios que tenham o propósito de buscar informações. Para isso, foi solicitado à prefeitura, uma cópia do contrato assinado apontando quem são os servidores, colaboradores ou secretaria responsável pela fiscalização do contrato.

A comissão também levantará todas as proposições apresentadas pelos vereadores nos últimos cinco anos. “Os parlamentares já apresentaram inúmeros pedidos através de requerimentos, moções e indicações referentes a falta de água em Chapecó”, comentou o vereador Itamar Agnoletto.

Outro pedido, foi para que seja encaminhado um ofício à Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (ARIS) e para o Centro Empresarial de Chapecó. “Vamos solicitar para que essas entidades forneçam seus relatórios de trabalhos e conclusões a respeito da captação, tratamento e distribuição de água e a constante falta de abastecimento”, relatou o vereador Neuri Mantelli.

A comissão especial terá prazo até o dia 31 de dezembro de 2020, podendo ser prorrogado, para a conclusão dos trabalhos e apresentação do relatório. “Não podemos mais aceitar tanto problema de falta de água em Chapecó. O contrato com a Casan precisa ser fiscalizado e cumprido”, finaliza Sander.